SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem: para a realidade brasileira

Cód:  9788574982571


  • R$ 99,50

até de sem juros

ou à vista no boleto


Descrição

Autores: Marislei de Sousa Espíndula Brasileiro e Bruna Alves da Silva Ferreira

Dimensões (cm) (LxAxLombada): 17x24x1,7

Número de páginas: 332

Ano de publicação: 2018

Edição: 2.ª

ISBN: 9788574982571

Peso (gramas): 550 g

 

Sinopse

 

O interesse em reunir enfermeiros especialistas, mestres e doutores para organizar essa obra surgiu ao se observar a dificuldade que os enfermeiros encontram na implantação da SAE. Isso ocorre, provavelmente devido a extensa literatura de enfermagem estrangeira e os manuais ministeriais, no Brasil, não contemplarem a Lei n. 7498/86, nem a resolução 358/2009. Frente ao desafio de promover uma assistência de enfermagem com cientificidade e resolutividade, autonomia e segurança, os enfermeiros enfrentam a precariedade do sistema de saúde, a falta de apoio dos gestores e a carência de pessoal especializado. Ora, ninguém sabe mais de enfermagem que os próprios enfermeiros! Logo, cabe a eles romper os paradigmas atuais, valorizando seu trabalho. Esta obra visa possibilitar ao enfermeiro um roteiro prático, rápido e humanizado para implantar a SAE, a começar por um caso modelo para um ou dois pacientes até conseguir elaborar um formulário único para grupos de pacientes similares e começar a ganhar tempo. Adotada como um modo de vida profissional, a SAE melhora a autonomia do enfermeiro, a comunicação entre a equipe e a imagem da instituição. Por prevenir os erros, reduzir os riscos, o desperdício e a incidência de infecções, diminuirá os gastos financeiros, aumentará a satisfação do cliente/paciente e permitirá a evolução da profissão como ciência. Afinal, devemos ser a Enfermagem que queremos ter!

 

 

Informações Sobre o Autor

 

- Marislei de Sousa Espíndula Brasileiro

Doutora em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás (2011), Doutora em Ciências da Religião pela Faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2010), Mestre em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (2004); Especialista em Planejamento Educacional (2001), Graduação/Licenciatura em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Goiás (1992), habilitação em Enfermagem médico-cirúrgica; Docente de Metodologia Científica da Pós-graduação do Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição/Pontifícia Universidade Católica de Goiás desde 2003; Docente da Faculdade Unida de Campinas, Coordenadora/apoio técnico de projetos do Ministério da Educação na Secretaria Municipal de Educação. Ocupa a cadeira nº 3 da Academia Goianiense de Letras.

 

- Bruna Alves da Silva Ferreira

 

 

Enfermeira pela Universidade Estadual de Goiás (2012), Especialista em Unidade de Terapia Intensiva (2014) pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, em Atenção Básica em Saúde da Família pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul como bolsista e em Cardiologia e Hemodinâmica pelo Centro Goiano de Pesquisa e Pós Graduação (CEGESP). Enfermeira intensivista do Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (HUGOL) em Goiânia (GO). Possui experiência em Assistência Domiciliar, Serviço de Atendimento Especializado de Medicina e Segurança do Trabalho (SESMT), Saúde Pública no Programa Saúde na Escola (PSE) pelo Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica do Ministério da Saúde (PROVAB/MS) e em UTI no Hospital das Clínicas de Goiânia e HUGOL.

 

 

Sumário

Capítulo I
as 5 etapas de ouro da sae.
 
Capítulo II

SAE EM HIPERTENSÃO ARTERIAL
1 Coleta de dados/consulta de enfermagem/acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R)  5
1.4 Exame físico
1.5 Impressões do entrevistador
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos bioquímicos
2.4 Aspectos farmacológicos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos psicossociais
2.8 Aspectos epidemiológicos
2.9 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Ansiedade
3.2 Conhecimento deficiente no tocante a relação entre
o regime de tratamento e o controle do processo patológico
3.3 Controle ineficaz da saúde
3.4 Dentição prejudicada
3.5 Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidades corporais
3.6 Estilo de vida sedentário
3.7 Autocontrole ineficaz da saúde
3.8 Dor aguda
Referências 


Capítulo III
SAE PARA HIPERTENSÃO
ARTERIAL, DISLIPIDEMIA E PRÉ-DIABETES
1 Coleta de dados/consulta de enfermagem/acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 17
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.4 Aspectos biogenéticos
2.5 Aspectos microbiológicos/ virológicos/ parasitológicos
2.6 Aspectos bioquímicos/ biofísicos/ nutricionais
2.7 Aspectos farmacológicos 
2.8 Aspectos psicossociais
2.9 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Nutrição desequilibrada: ingestão acima das necessidades corporais 
3.2 Autoestima baixa circunstancial
3.3 Processo familiar alterados: abuso de álcool 
Referências 
 
Capítulo IV
SAE PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL, DISLIPIDEMIA,
PRÉ-DIABETES e DIABETES MELLITUS TIPO 2
1 Coleta de dados/consulta de enfermagem/acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções 
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 25
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos  
2.2 Aspectos fisiopatológicos 
2.3 Aspectos histopatológicos 
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos 
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais 
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação   
3.1 Dor
3.2 Risco para infeção
3.3 Integridade da pele prejudicada
3.4 Nutrição desequilibrada
3.5 Adaptação prejudicada
3.6 Autoestima baixa crônica
3.7 Desesperança
Referências
 
Capítulo V
SAE A UM SUJEITO ADOECIDO POR INSUFICIÊNCIA
RENAL CRÔNICA RELACIONADA AO DIABETES MELLITUS
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções 
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 33
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos e fisiológicos do sistema renal
2.1.1 Anatomia e fisiologia do sistema renal
2.1.2 Anatomia macroscópica do sistema renal 
2.1.3 Anatomia microscópica do sistema renal e fisiologia renal normal 
2.1.4 Influências hormonais
2.1.5 Funções do sistema renal
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.2.1 Nefropatia diabética
2.3 Aspectos bioquímicos
2.4 Aspectos farmacológicos  
2.4.1 Tratamento da hipercalemia branda (<6 mEq/l sem alterações no ECG)
2.4.2 Tratamento do edema de pulmão
2.4.3 Tratamento da hipertensão
2.4.4 Tratamento da hiperglicemia
2.4.5 Tratamento da hipercalemia com risco de morte
2.4.6 Tratamento da hipernatremia
2.4.7 Tratamento da hiponatremia
2.4.8 Tratamento da anemia relacionada à IRC
2.4.9 Tratamento de reposição e manutenção dos estoques de ferro
2.4.10 Tratamento da osteodistrofia renal
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos (não existem)
2.7 Aspectos epidemiológicos
2.8 Aspectos metodológicos
3 Diagnósticos de enfermagem
4 Planejamento - resultados esperados
5 Implementação - prescrições de enfermagem
5.1 Controle da hipervolemia
5.2 Controle da nutrição
5.3 Monitoração nutricional
5.3.1 Controle de eletrólitos
5.3.2 Controle de eletrólitos: hipercalemia
5.3.3 Controle de eletrólitos: hipocalemia
5.4 Ensino: medicamentos prescritos
5.5 Prevenção de infecção 
5.6 Redução da ansiedade
5.7 Melhora da autocompetência
6 Avaliação de enfermagem
Referências 
 
Capítulo VI
SAE PARA HIPERCOLESTEROLEMIA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 49
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Dor aguda
3.2 Débito cardíaco diminuído
3.3 Medo 
3.4 Nutrição alterada: ingestão acima das necessidades corporais
3.5 Nutrição alterada: ingestão acima das necessidades corporais (risco para)
4 Principal procedimento
Referências
 
Capítulo VII
SAE EM DOENÇAS SEXUALMENTE
TRANSMISSÍVEIS HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO)
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções 
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 57
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos epidemiológicos
2.4 Aspectos biogenéticos (nada digno de nota)
2.5 Aspectos microbiológicos
2.6 Aspectos bioquímicos
2.7 Aspectos farmacológicos
2.8 Aspectos psicossociais
2.9 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Ansiedade
3.2 Risco para déficit no autocuidado para higiene íntima
3.3 Dor aguda
3.4 Risco de infecção
3.5 Comportamento de busca da saúde
Referências
 
Capítulo VIII
SAE para HEPATITE B
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativa e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 63
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (inexistentes)
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos e biofísicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação... 69
3.1 Dor e desconforto crônicos
3.2 Risco de temperatura corporal alterada
3.3 Integridade da pele prejudicada
4 Procedimento de enfermagem
Referências
 
Capítulo IX
SAE PARA HEPATITE C
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento 
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 71
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos 
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4  Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (inexistentes)
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos e biofísicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Desconforto
3.2 Perfusão tissular aumentada
3.3 Risco de angústia espiritual
3.4 Ansiedade
3.5 Alteração de nutrição abaixo das necessidades corporais
Referências 
 
Capítulo X
SAE PARA DENGUE
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 79
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos fisiopatológicos
2.2 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.3 Aspectos biogenéticos (nada digno de nota)
2.4 Aspectos microbiológicos
2.5 Aspectos bioquímicos
2.6 Aspectos farmacológicos
2.7 Aspectos psicossociais
2.8 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Ansiedade
3.2 Risco de função hepática prejudicada
3.3 Risco para hipotermia
3.4 Risco de nutrição desequilibrada: menos que as necessidades corporais 
3.5 Termorregulação ineficaz
3.6 Risco de volume de líquidos deficiente
Referências
 
Capítulo XI
SAE PARA DENGUE HEMORRÁGICA 
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos bioquímicos
2.4 Aspectos farmacológicos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos psicossociais 
2.8 Aspectos epidemiológicos 
2.9 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Hipertermia
3.2 Dor 
Referências 
 
Capítulo XII
ESTUDO DE CASO:
ATENDIMENTO ANTIRRÁBICO HUMANO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do paciente
1.2 Expectativas e percepções 
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 91
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.4 Aspectos biogenéticos (nada digno de nota)
2.5 Aspectos bioquímicos (nada digno de nota)
2.6 Aspectos farmacológicos
2.7 Aspectos psicossociais
2.8 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Ansiedade
3.2 Risco para baixa autoestima situacional
3.3 Dor aguda 
3.4 Risco de infecção
3.5 Integridade da pele prejudicada
Referências


Capítulo XIII
SAE NA SAÚDE DO
ADOLESCENTE: DISMENORREIA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 97
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (nada digno de nota)
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Dor aguda
3.2 Diarreia
3.3 Medo 
3.4 Ansiedade 
3.5 Risco para solidão 
4 Procedimento
Referências
 
Capítulo XIV
SAE NA SAÚDE DA MULHER: PARA
GESTANTE PORTADORA DE SÍFILIS, HEPATITE C
E DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 105
1.4 Exame físico
1.5 Impressões do entrevistador
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.1.1 Aspectos anatômicos relacionados à sífilis
2.1.2 Aspectos anatômicos relacionados à hepatite C
2.1.3 Aspectos anatômicos relacionados à DHEG
(Doença hipertensiva específica da gestação)
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.2.1 Influência da gravidez sobre a sífilis
2.2.2 Influência da sífilis sobre a gravidez e o feto
2.3 Aspectos epidemiológicos
2.4 Aspectos bioquímicos
2.5 Aspectos farmacológicos
2.6 Aspectos psicossociais
2.7 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem
3.1 Resultados esperados
3.2 Prescrições de enfermagem
Referências
 
Capítulo XV
SAE EM DERMATOLOGIA - VITILIGO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções 
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 119
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Integridade da pele prejudicada
3.2 Adaptação prejudicada
3.3 Autoestima baixa crônica
3.4 Desesperança
3.5 Distúrbio da imagem corporal
3.6 Isolamento social 
3.7 Negação ineficaz
Referências
 
Capítulo XVI
SAE EM DERMATOLOGIA - ERISIPELA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 129
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (não se aplica, pois não
foram encontrados aspectos biogenéticos)
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos (não se aplica, pois não
foram encontrados aspectos bioquímicos)
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem 
3.1 Dor aguda
3.2 Hipertermia
3.3 Integridade da pele prejudicada
3.4 Deambulação prejudicada
3.5 Nutrição desequilibrada
3.6 Padrão de sono prejudicado 
3.7 Ansiedade
3.8 Medo
3.9 Dentição prejudicada
3.10 Baixa autoestima
3.11 Estilo de vida sedentário
3.12 Distúrbio da imagem corporal
Referências


Capítulo XVII
SAE EM PNEUMOLOGIA – ENFISEMA PULMONAR
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 139
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (não é digno de nota,
pois não é transmitido geneticamente)
2.6 Aspectos microbiológicos (não se aplica, portanto,
não existir um fator de microrganismo relacionado)
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Padrão respiratório ineficaz 
3.2 Troca gasosa prejudicada
3.3 Incapacidade de manter a ventilação espontânea
3.4 Desobstrução ineficaz das vias respiratórias
3.5 Dor aguda
3.6 Percepção auditiva alterada
3.7 Percepção olfatória alterada
3.8 Ansiedade 
3.9 Distúrbios do padrão do sono
3.10 Risco de infecção
3.11 Risco de trauma
Referências
 
Capítulo XVIII
SAE EM PNEUMOLOGIA – PNEUMONIA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento 
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 147
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (não se aplica, pois
a pneumonia não é transmitida geneticamente)
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Padrão respiratório ineficaz 
3.2 Desobstrução ineficaz das vias respiratórias
3.3 Dor
3.4 Termorregulação ineficaz 
3.5 Hipertermia
3.6 Perfusão tissular ineficaz (cardiopulmonar)
3.7 Perfusão tissular ineficaz (cerebral)
3.8 Incapacidade de manter ventilação espontânea
3.9 Fadiga
3.10 Nutrição desequilibrada: ingestão abaixo das necessidades corporais 
Referências 
 
Capítulo XIX
SAE PARA DOENÇA
PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções 
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 157
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos Microbiológicos (não se aplica, pois não
existem microrganismos envolvidos no processo)
2.6 Aspectos bioquímicos
2.7 Aspectos farmacológicos
2.8 Aspectos psicossociais
2.9 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Desobstrução ineficaz das vias respiratórias
3.2 Troca gasosa prejudicada
3.3 Padrão respiratório ineficaz 
3.4 Perfusão tissular prejudicada 
3.5 Risco para intolerância à atividade
3.6 Débito cardíaco diminuído
3.7 Distúrbio do padrão do sono
3.8 Risco para nutrição alterada: ingestão acima das necessidades corporais
3.9 Proteção alterada
3.10 Risco para sufocação
Referências 
 
Capítulo XX
SAE EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA –
ESTUDO DE CASO: HEMORRAGIA INTERNA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificações do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções 
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 165
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos 
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos microbiológicos
2.6 Aspectos bioquímicos e biofísicos
2.7 Aspectos farmacológicos
2.8 Aspectos psicossociais
2.9 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação. 168
3.1 Perfusão tissular ineficaz (cardiopulmonar)
3.2 Déficit de volume de líquido
3.3 Dor aguda
3.4 Perfusão tissular ineficaz (cerebral)
3.5 Adaptação intracraniana prejudicada
3.6 Integridade da pele prejudicada
3.7 Mucosa oral alterada
3.8 Perfusão tissular ineficaz (gastrointestinal)
4 Procedimentos
Referências
 
Capítulo XXI
SAE PARA FRATURA DE JOELHO EM IDOSO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 173
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos 
2.6 Aspectos microbiológicos (não se aplica ao perfil patológico da paciente)
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Dor aguda
3.2 Deambulação prejudicada 
3.3 Déficit no autocuidado para banho 
3.4 Padrão de sono ineficaz
3.5 Confusão aguda
3.6 Medo
3.7 Risco para trauma
4 Procedimentos de Enfermagem
Referências


Capítulo XXII
SAE PARA ACIDENTE DE PERFURAÇÃO OCULAR
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (não se aplica, pois o presente
acidente ocular não foi causado por fatores genéticos)
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Dor aguda
3.2 Integridade tissular prejudicada
3.3 Risco de infecção
3.4 Proteção ineficaz
3.5 Ansiedade
3.6 Medo 
Referências
 
Capítulo XXIII
SAE EM NEFROLOGIA –
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos virológicos/microbiológicos/parasitológicos
(não se aplica porque neste caso não há aspectos relacionados)
2.7 Aspectos bioquímicos/biofísicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Dor aguda
3.2 Déficit de volume de líquido
3.3 Padrão de eliminação urinária alterada
3.4 Risco para infecção
3.5 Nutrição alterada: ingestão abaixo das necessidades corporais
3.6 Medo
3.7 Autoestima baixa crônica
3.8 Mobilidade física prejudicada
3.9 Adaptação prejudicada
Referências
 
Capítulo XXIV
SAE EM GASTROENTEROLOGIA –
GASTRITE E REFLUXO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativa e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 199
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos (nada digno de nota, pois não é genética)
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos (nada digno de nota)
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos éticos
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Dor aguda
3.2 Integridade tissular prejudicada
3.3 Déficit de volume de líquido
3.4 Nutrição alterada: ingestão acima das necessidades corporais 
3.5 Distúrbio da autoestima
3.6 Ansiedade
Referências
 
Capítulo XXV
SAE EM GASTROENTEROLOGIA – GASTRITE
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 205
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos bioquímicos
2.4 Aspectos farmacológicos
2.5 Aspectos microbiológicos
2.6 Aspectos psicossociais
2.7 Aspectos epidemiológicos
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
Referências
 
Capítulo XXVI
SAE EM GASTROENTEROLOGIA – ÚLCERA PÉPTICA
1 coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 
1.3 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos 
2.2 Aspectos fisiopatológicos 
2.3 Aspectos bioquímicos
2.4 Aspectos farmacológicos 
2.5 Aspectos biogenéticos (inexistentes)
2.6 Aspectos microbiológicos 
2.7 Aspectos psicossociais
2.8 Aspectos epidemiológicos
2.9 Aspectos legais 
3 Diagnósticos de enfermagem
3.1 Resultados esperados
3.2 Plano assistencial/ prescrição de enfermagem (MURTA, 2009)
3.3 Avaliação
Referências
 
Capítulo XXVII
SAE PARA CIRROSE HEPÁTICA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R)
1.3  Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos 
2.3 Aspectos bioquímicos (CHAMPE, 2009)
2.4 Aspectos farmacológicos
2.5 Aspectos biogenéticos (inexistentes)
2.6 Aspectos microbiológicos (inexistentes)
2.7 Aspectos psicossociais
2.8 Aspectos epidemiológicos
3 Diagnósticos de enfermagem
4 Prescrição de enfermagem 
5 Avaliação
6 Resultados esperados
Referências
 
Capítulo XXVIII
SAE EM CARDIOLOGIA –
INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções do sujeito/paciente
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 221
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos (não se aplica,
pois não há infecção por micro-organismo)
2.7 Aspectos bioquímicos e biofísicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Troca de gases prejudicada
3.2 Dor aguda.
3.3 Débito cardíaco diminuído
3.4 Perfusão tissular periférica ineficaz
3.5 Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidades corporais
3.6 Estilo de vida sedentário
3.7 Autocontrole ineficaz da saúde
Referências
 
Capítulo XXIX
SAE EM CARDIOLOGIA –
PROLAPSO DA VALVA MITRAL
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 229
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos epidemiológicos/bioestatísticos
2.4 Aspectos biogenéticos
2.5 Aspectos histológicos
2.6 Aspectos microbiológicos (não se aplica, pois não tem agente etiológico)
2.7 Aspectos bioquímicos/ biofísicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos éticos
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Troca de gases prejudicada
3.2 Dor aguda
3.3 Débito cardíaco diminuído
3.4 Risco de baixa autoestima circunstancial
3.5 Ansiedade
4 Procedimento: eletrocardiograma
Referências
 
Capítulo XXX
SAE EM NEUROLOGIA –
ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos (não se aplica, pois não há micro-organismos envolvidos no Acidente Vascular Encefálico)
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Padrão respiratório ineficaz
3.2 Incapacidade de manter a ventilação espontânea
3.3 Débito cardíaco diminuído
3.4 Dor
3.5 Comunicação verbal ineficaz
3.6 Risco para aspiração
3.7 Déficit no autocuidado para alimentar-se
3.8 Déficit no autocuidado para banho e higiene
3.9 Déficit no autocuidado para uso do vaso sanitário
3.10 Deglutição prejudicada
3.11 Risco para integridade da pele prejudicada
3.12 Mobilidade física prejudicada
3.13 Ansiedade
4 Procedimento: instalação de SNG/SNE
Referências
 
Capítulo XXXI
SAE EM NEUROLOGIA – PARALISIA CEREBRAL
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 251
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.4 Aspectos farmacológicos (não está em uso de
medicações e nunca teve indicação para uso)
2.5 Aspectos psicossociais e legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação. 253
3.1 Dor aguda
3.2 Incontinência vesical 
3.3 Incontinência intestinal
3.4 Padrão de sono perturbado
4 Procedimento
Referências
 
Capítulo XXXII
SAE EM NEUROLOGIA –
ACIDENTE VASCULAR HEMORRÁGICO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 259
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos epidemiológicos
2.4 Aspectos biogenéticos
2.5 Aspectos farmacológicos
2.6 Exames realizados
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação. 265
3.1 Integridade da pele prejudicada 
3.2 Risco para infecção
3.3 Déficit no autocuidado para banho/higiene
3.4 Risco de quedas 
3.5 Deambulação prejudicada
3.6 Comunicação verbal prejudicada 
3.7 Interação social prejudicada
3.8 Nutrição desequilibrada para menor do que as necessidades corporais 
3.9 Percepção sensorial perturbada
3.10 Capacidade de transferência prejudicada
Referências
 
Capítulo XXXIII
SAE EM ONCOLOGIA – CÂNCER DE RETO
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 269
1.4 Exame físico
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos
2.7 Aspectos bioquímicos
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Padrão respiratório ineficaz
3.2 Dor aguda
3.3 Integridade tissular prejudicada
3.4 Insuficiência na capacidade do adulto para melhorar
3.5 Controle familiar ineficaz do regime terapêutico
3.6 Risco de infecção 
3.7 Risco de desequilíbrio do volume de líquidos 
3.8 Risco de suicídio
4 Procedimento de enfermagem: troca e higienização da bolsa de colostomia
Referências
 
Capítulo XXXIV
SAE EM ONCOLOGIA: CÂNCER DE OVÁRIO 
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 279
1.4 Exame físico 
2 Análise integral interdisciplinar
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos histopatológicos
2.4 Aspectos epidemiológicos e bioestatísticos
2.5 Aspectos biogenéticos
2.6 Aspectos microbiológicos (não se aplica, não
foram encontrados aspectos microbiológicos)
2.7 Aspectos bioquímicos (não se aplica)
2.8 Aspectos farmacológico
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos legais
3  Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação 
3.1 Dor (abdominal)
3.2 Ansiedade
3.3 Autoestima baixa circunstancial
3.4 Conflito de decisão
3.5 Déficit de lazer
3.6 Pesar antecipado
3.7 Risco para infecção
Referências
 
Capítulo XXXV
SAE EM ONCOLOGIA – CÂNCER DE MAMA
1 Coleta de dados/ consulta de enfermagem/ acolhimento
1.1 Identificação do sujeito/paciente
1.2 Expectativas e percepções
1.3 Necessidades humanas básicas não satisfeitas (F, S/P, A/G, A/E, A/R) 
1.4 Exame Físico 
2 Análise integral interdisciplinar 
2.1 Aspectos anatômicos
2.2 Aspectos fisiopatológicos
2.3 Aspectos epidemiológicos/bioestatísticos
2.4 Aspectos biogenéticos
2.5 Aspectos histológicos
2.6 Aspectos microbiológicos/ virológico/ parasitológico
(não se aplica pois não foram encontrados aspectos
microbiológicos, virológicos e nem parasitológicos)
2.7 Aspectos bioquímicos/biofísico
2.8 Aspectos farmacológicos
2.9 Aspectos psicossociais
2.10 Aspectos éticos
3 Diagnósticos de enfermagem/ planejamento/ implementação/ avaliação
3.1 Dor
3.2 Hipertermia
3.3 Risco para infecção
3.4 Integridade da pele prejudicada
3.5 Manutenção de saúde alterada
3.6 Constipação intestinal percebida
3.7 Adaptação prejudicada
3.8 Angústia espiritual 
3.9 Ansiedade 
3.10 Autoestima baixa crônica
3.11 Desesperança    
3.12 Disfunção sexual
3.13 Distúrbio do padrão do sono 
3.14 Isolamento social 
3.15 Medo
3.16 Pesar antecipado
4 Procedimentos: curativos em dreno na mama esquerda
Referências
 
 

 

Comentário (0)