Manual de vigilância Epidemiológica e Sanitária

Cód:  9788574982427


  • R$ 90,00

até de sem juros

ou à vista no boleto


Descrição

Autor: Ana Karla da Silva
Dimensões (cm) (LxAxLombada): 15,3x22,1x2,7
Número de páginas: 464
Edição: 2.ª
ISBN: 978-85-7498-242-7
Peso (gramas): 640
Ano de publicação: 2017

Sinopse
 
O livro já em sua 2ª edição, apresenta o conhecimento e as orientações necessárias para os estudantes, professores e profissionais de saúde sobre Doenças Transmissíveis, Bacterianas, Parasitárias, Fungicas, Virais, Infecciosas, e muitas outras temáticas dentro de Vigilância Sanitária. O livro foi revisado e atualizado, com fotos e figuras ilustrativas, além de glossário alfabético.


Informações sobre o autor

Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia. Pós-graduação em Vigilância Sanitária e Epidemiologia pela Universidade de Ribeirão Preto (SP), realizada pela Associação Médica de Goiás em Goiânia. Atualmente é Gerente de Serviços de Atenção Primária de Sobradinho – DF. Autora dos livros: Ergonomia aplicada à anatomia e à fisiologia do trabalhador; Manual de normas e rotinas hospitalares; Manual do estagiário em enfermagem – nível superior; Manual do estagiário em enfermagem – nível médio; Tecnologia de prevenção e primeiros socorros ao trabalhador acidentado; colaboradora externa: Enfermagem para concursos – 5000 perguntas e respostas.

Sumário

  • Primeira parte
  • VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

  • Capítulo I
  • VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA
  • 1. Noções gerais
  • 2. Cálculo de alguns coeficientes 
  • 3. Indicadores de saúde 

  • Capítulo II
  • DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS 
  • 1. Aids
  • 1.1. Agente etiológico
  • 1.2. Hospedeiro
  • 1.3. Transmissibilidade
  • 1.4. Período de incubação
  • 1.5. Manifestações clínicas 
  • 1.6. Diagnósticos
  • 1.7. Tratamento medicamentoso 
  • 1.8. Vigilância epidemiológica
  • 1.9. Orientações gerais
  • 2. Cancro mole
  • 2.1. Agente etiológico
  • 2.2. Hospedeiro
  • 2.3. Transmissibilidade
  • 2.4. Período de incubação
  • 2.5. Manifestações clínicas
  • 2.6. Diagnósticos
  • 2.7. Tratamento medicamentoso 
  • 2.8. Vigilância epidemiológica
  • 2.9. Orientações gerais 
  • 3. Candidíase
  • 3.1. Agente etiológico
  • 3.2. Hospedeiro
  • 3.3. Transmissibilidade
  • 3.4. Período de incubação
  • 3.5. Manifestações clínicas
  • 3.6. Diagnósticos
  • 3.7. Tratamento medicamentoso
  • 3.8. Vigilância epidemiológica
  • 3.9. Orientações gerais
  • 4. Donovanose
  • 4.1. Agente etiológico
  • 4.2. Hospedeiro 
  • 4.3. Transmissibilidade 
  • 4.4. Período de incubação
  • 4.5. Manifestações clínicas 
  • 4.6. Diagnósticos
  • 4.7. Tratamento medicamentoso
  • 4.8. Vigilância epidemiológica 
  • 4.9. Orientações gerais
  • 5. Gonorreia
  • 5.1. Agente etiológico 
  • 5.2. Hospedeiro 
  • 5.3. Transmissibilidade 
  • 5.4. Período de incubação 
  • 5.5. Manifestações clínicas
  • 5.6. Diagnósticos
  • 5.7. Tratamento medicamentoso
  • 5.8. Vigilância epidemiológica
  • 5.9. Orientações gerais 
  • 6. Linfogranuloma venéreo
  • 6.1. Agente etiológico
  • 6.2. Hospedeiro 
  • 6.3. Transmissibilidade
  • 6.4. Período de incubação
  • 6.5. Manifestações clínicas
  • 6.6. Diagnósticos 
  • 6.7. Tratamento medicamentoso
  • 6.8. Vigilância epidemiológica
  • 6.9. Orientações gerais 
  • 7. Sífilis adquirida e congênita
  • 7.1. Agente etiológico 
  • 7.2. Hospedeiro 
  • 7.3. Transmissibilidade 
  • 7.4. Período de incubação 
  • 7.5. Diagnóstico
  • 7.6. Tratamento medicamentoso
  • 7.7. VigiIância epidemiológica 
  • 7.8. Orientações gerais 

  • Capítulo III
  • DOENÇAS BACTERIANAS
  • 1. Antraz ou carbúnculo
  • 1.1. Agente etiológico 
  • 1.2. Hospedeiro
  • 1.3. Transmissibilidade
  • 1.4. Período de incubação
  • 1.5. Manifestações clínicas
  • 1.6. Diagnósticos
  • 1.7. Tratamento medicamentoso
  • 1.8. Vigilância epidemiológica
  • 1.9. Orientações gerais 
  • 1.10. Esquema vacinal 
  • 2. Botulismo
  • 2.1. Agente etiológico
  • 2.2. Reservatório
  • 2.3. Transmissibilidade
  • 2.4. Período de incubação
  • 2.5. Diagnósticos 
  • 2.6. Tratamento medicamentoso
  • 2.7. Vigilância epidemiológica
  • 2.8. Orientações gerais 
  • 3. Brucelose
  • 3.1. Agente etiológico
  • 3.2. Reservatório
  • 3.3. Transmissibilidade
  • 3.4. Período de incubação 
  • 3.5. Manifestações clínicas
  • 3.6. Diagnósticos 
  • 3.7. Tratamento medicamentoso
  • 3.8. Vigilância epidemiológica
  • 3.9. Orientações gerais
  • 4. Cólera
  • 4.1. Agente etiológico
  • 4.2. Hospedeiro
  • 4.3. Transmissibilidade 
  • 4.4. Período de incubação
  • 4.5. Manifestações clínicas
  • 4.6. Diagnósticos
  • 4.7. Tratamento medicamentoso
  • 4.8. Vigilância epidemiológica
  • 4.9. Orientações gerais
  • 5. Coqueluche
  • 5.1. Agente etiológico
  • 5.2. Hospedeiro
  • 5.3. Transmissibilidade
  • 5.4. Período de incubação 
  • 5.5. Manifestações clínicas
  • 5.6. Diagnósticos 
  • 5.7. Tratamento medicamentoso 
  • 5.8. Vigilância epidemiológica
  • 5.9. Orientações gerais
  • 5.10. Esquema vacinal 
  • 6. Difteria
  • 6.1. Agente etiológico
  • 6.2. Hospedeiro
  • 6.3. Transmissibilidade
  • 6.4. Período de incubação
  • 6.5. Manifestações clínicas
  • 6.6. Diagnósticos 
  • 6.7. Tratamento medicamentoso
  • 6.8. Vigilância epidemiológica
  • 6.9. Esquema vacinal 
  • 6.10. Orientações gerais
  • 7. Doença de Lyme
  • 7.1. Agente etiológico
  • 7.2. Hospedeiro
  • 7.3. Transmissibilidade
  • 7.4. Período de incubação
  • 7.5. Manifestações clínicas
  • 7.6. Diagnósticos 
  • 7.7. Tratamento medicamentoso
  • 7.8. Vigilância epidemiológica 
  • 7.9. Orientações gerais 
  • 8. Doença meningocócica
  • 8.1. Agente etiológico
  • 8.2. Hospedeiro
  • 8.3. Transmissibilidade
  • 8.4. Período de incubação 
  • 8.5. Manifestações clínicas
  • 8.6. Diagnósticos 
  • 8.7. Tratamento medicamentoso
  • 8.8. Vigilância epidemiológica
  • 8.9. Orientações gerais 
  • 8.10. Esquema vacinal 
  • 9. Febre tifoide
  • 9.1. Agente etiológico 
  • 9.2. Transmissibilidade 
  • 9.3. Período de incubação 
  • 9.4. Manifestações clínicas 
  • 9.5. Diagnósticos
  • 9.6. Tratamento medicamentoso 
  • 9.7. Vigilância epidemiológica 
  • 9.8. Orientações gerais 
  • 9.9. Esquema vacinal
  • 10. Hanseníase 
  • 10.1. Agente etiológico
  • 10.2. Hospedeiro 
  • 10.3. Transmissibilidade 
  • 10.4. Período de incubação
  • 10.5. Manifestações clínicas
  • 10.6. Diagnósticos
  • 10.7. Tratamento medicamentoso
  • 10.8. Vigilância epidemiológica 
  • 10.9. Orientações gerais 
  • 11. Leptospirose 
  • 11.1. Agente etiológico 
  • 11.2. Hospedeiros
  • 11.3. Transmissibilidade 
  • 11.4. Período de incubação 
  • 11.5. Manifestações clínicas 
  • 11.6. Diagnósticos 
  • 11.7. Tratamento medicamentoso
  • 11.8. Vigilância epidemiológica 
  • 11.9. Orientações gerais 
  • 12. Tuberculose 
  • 12.1. Agente etiológico 
  • 12.2. Hospedeiro 
  • 12.3. Transmissibilidade 
  • 12.4. Período de incubação 
  • 12.5. Manifestações clínicas 
  • 12.6. Diagnósticos 
  • 12.7. Tratamento medicamentoso
  • 12.8. Vigilância epidemiológica 
  • 12.9. Orientações gerais
  • 12.10. Esquema vacinal
  • 13. Tétano
  • 13.1. Agente etiológico
  • 13.2. Transmissibilidade
  • 13.3. Manifestações clínicas
  • 13.4. Período de incubação
  • 13.5. Diagnósticos
  • 13.6. Tratamento medicamentoso
  • 13.7. Vigilância epidemiológica 
  • 13.8. Orientações gerais
  • 13.9. Esquema vacinal

  • Capítulo IV
  • DOENÇAS PARASITÁRIAS
  • 1. Amebíase 
  • 1.1. Agente etiológico
  • 1.2. Hospedeiro
  • 1.3. Transmissibilidade e ciclo 
  • 1.4. Período de incubação
  • 1.5. Manifestações clínicas
  • 1.6. Diagnóstico
  • 1.7. Tratamento medicamentoso
  • 1.8. Vigilância epidemiológica
  • 1.9. Orientações gerais 
  • 2. Ancilostomíase
  • 2.1. Classificação e morfologia 
  • 2.2. Agente etiológico
  • 2.3. Hospedeiros 
  • 2.4. Transmissibilidade e ciclo 
  • 2.5. Período de incubação
  • 2.6. Manifestações clínicas
  • 2.7. Diagnóstico
  • 2.8. Tratamento medicamentoso
  • 2.9. Vigilância epidemiológica 
  • 2.10. Orientações gerais 
  • 3. Ascaridíase
  • 3.1. Agente etiológico
  • 3.2. Hospedeiro
  • 3.3. Transmissibilidade e ciclo 
  • 3.4. Período de incubação
  • 3.5. Manifestações clínicas
  • 3.6. Diagnóstico
  • 3.7. Tratamento medicamentoso
  • 3.8. Vigilância epidemiológica
  • 3.9. Orientações gerais
  • 4. Criptosporidíase
  • 4.1. Agente etiológico
  • 4.2. Hospedeiro
  • 4.3. Transmissibilidade 
  • 4.4. Período de incubação
  • 4.5. Diagnósticos 
  • 4.6. Tratamento medicamentoso
  • 4.7. Vigilância epidemiológica
  • 4.8. Orientações gerais
  • 5. Doença de chagas
  • 5.1. Agente etiológico
  • 5.2. Hospedeiro
  • 5.3. Transmissibilidade e ciclo
  • 5.4. Período de incubação
  • 5.5. Manifestações clínicas
  • 5.6. Diagnósticos
  • 5.7. Tratamento medicamentoso
  • 5.8. Vigilância epidemiológica 
  • 5.9. Orientações gerais
  • 6. Escabiose 
  • 6.1. Agente etiológico
  • 6.2. Hospedeiro
  • 6.3. Transmissibilidade 
  • 6.4. Manifestações clínicas 
  • 6.5. Período de incubação
  • 6.6. Diagnósticos 
  • 6.7. Tratamento medicamentoso
  • 6.8. Vigilância epidemiológica 
  • 6.9. Orientações gerais
  • 7. Esquistossomose mansônica
  • 7.1. Agente etiológico
  • 7.2. Hospedeiros
  • 7.3. Transmissibilidade e ciclo 
  • 7.4. Período de incubação
  • 7.5. Manifestações clínicas
  • 7.6. Diagnósticos 
  • 7.7. Tratamento medicamentoso
  • 7.8. Vigilância epidemiológica
  • 7.9. Orientações gerais
  • 8. Enterobíase 
  • 8.1. Agente etiológico
  • 8.2. Hospedeiro
  • 8.3. Transmissibilidade e ciclo evolutivo
  • 8.4. Período de incubação
  • 8.5. Manifestações clínicas 
  • 8.6. Diagnósticos
  • 8.7. Tratamento medicamentoso
  • 8.8. Vigilância epidemiológica
  • 8.9. Orientações gerais 
  • 9. Estrongiloidiase
  • 9.1. Agente etiológico
  • 9.2. Hospedeiro
  • 9.3. Transmissibilidade e ciclo 
  • 9.4. Manifestações clínicas 
  • 9.5. Diagnósticos
  • 9.6. Tratamento medicamentoso 
  • 9.7. Vigilância epidemiológica 
  • 9.8. Orientações gerais 
  • 10. Giardíase
  • 10.1. Agente etiológico 
  • 10.2. Hospedeiro
  • 10.3. Transmissibilidade e ciclo
  • 10.4. Período de incubação
  • 10.5. Manifestações clínicas
  • 10.6. Diagnósticos
  • 10.7. Tratamento medicamentoso
  • 10.8. Vigilância epidemiológica
  • 10.9. Orientações gerais
  • 11. Leishmaniose tegumentar americana (LTA)
  • 11.1. Agente etiológico 
  • 11.2. Hospedeiro e vetores 
  • 11.3. Transmissibilidade 
  • 11.4. Período de incubação 
  • 11.5. Manifestações clínicas 
  • 11.6. Diagnósticos
  • 11.7. Tratamento medicamentoso
  • 11.8. Vigilância epidemiológica 
  • 11.9. Orientações gerais 
  • 12. Leishmaniose visceral (LV)
  • 12.1. Hospedeiro e vetores 
  • 12.2. Transmissibilidade e ciclo
  • 12.3. Período de incubação 
  • 12.4. Manifestações clínicas 
  • 12.5. Diagnósticos
  • 12.6. Tratamento medicamentoso
  • 12.7. Vigilância epidemiológica 
  • 12.8. Orientações gerais  
  • 13. Malária 
  • 13.1. Agente etiológico 
  • 13.2. Hospedeiro e vetor 
  • 13.3. Transmissibilidade e ciclo
  • 13.4. Período de incubação 
  • 13.5. Manifestações clínicas 
  • 13.6. Diagnósticos
  • 13.7. Tratamento medicamentoso
  • 13.8. Vigilância epidemiológica 
  • 13.9. Orientações gerais 
  • 14. Teníase/Cisticercose
  • 14.1. Agente etiológico
  • 14.2. Hospedeiro 
  • 14.3. Transmissibilidade
  • 14.4. Período de incubação 
  • 14.5. Manifestações clínicas 
  • 14.6. Diagnósticos
  • 14.7. Tratamento medicamentoso
  • 14.8. Vigilância epidemiológica
  • 14.9. Orientações gerais
  • 15. Toxoplasmose
  • 15.1. Agente etiológico
  • 15.2. Hospedeiro
  • 15.3. Transmissibilidade e ciclo 
  • 15.4. Período de incubação 
  • 15.5. Manifestações clínicas 
  • 15.6. Diagnósticos 
  • 15.7. Tratamento medicamentoso 
  • 15.8. Vigilância epidemiológica 
  • 15.9. Orientações gerais 

  • Capítulo V
  • DOENÇAS FÚNGICAS
  • 1. Coccidioidomicose
  • 1.1. Agente etiológico
  • 1.2. Hospedeiros
  • 1.3. Transmissibilidade 
  • 1.4. Período de incubação
  • 1.5. Manifestações clínicas
  • 1.6. Diagnósticos
  • 1.7. Tratamento medicamentoso
  • 1.8. Vigilância epidemiológica
  • 1.9. Orientações gerais 
  • 2. Criptococose
  • 2.1. Agente etiológico
  • 2.2. Hospedeiros
  • 2.3. Transmissibilidade
  • 2.4. Período de incubação
  • 2.5. Manifestações clínicas 
  • 2.6. Diagnósticos 
  • 2.7. Tratamento medicamentoso
  • 2.8. Vigilância epidemiológica
  • 2.9. Orientações gerais
  • 3. Paracoccidioidomicose
  • 3.1. Agente etiológico
  • 3.2. Hospedeiro 
  • 3.3. Transmissibilidade 
  • 3.4. Período de incubação
  • 3.5. Manifestações clínicas 
  • 3.6. Diagnósticos
  • 3.7. Tratamento medicamentoso
  • 3.8. Vigilância epidemiológica
  • 3.9. Orientações gerais 

  • Capítulo VI
  • DOENÇAS VIRAIS
  • 1. Dengue
  • 1.1. Agente etiológico 
  • 1.2. Hospedeiro
  • 1.3. Transmissibilidade e ciclo do vetor
  • 1.4. Período de incubação
  • 1.5. Manifestações clínicas
  • 1.6. Diagnósticos
  • 1.7. Tratamento medicamentoso
  • 1.8. Vigilância epidemiológica
  • 1.9. Orientações gerais 
  • 2. c
  • 2.1. Agente etiológico 
  • 2.2. Hospedeiros e vetores 
  • 2.3. Transmissibilidade 
  • 2.4. Período de incubação
  • 2.5. Manifestações clínicas
  • 2.6. Diagnósticos
  • 2.7. Tratamento medicamentoso
  • 2.8. Vigilância epidemiológica 
  • 2.9. Esquema vacinal
  • 2.10. Orientações gerais 
  • 3. Febre maculosa brasileira (FMB)
  • 3.1. Agente etiológico
  • 3.2. Hospedeiro
  • 3.3. Transmissibilidade e ciclo
  • 3.4. Período de incubação
  • 3.5. Manifestações clínicas
  • 3.6. Diagnósticos
  • 3.7. Tratamento medicamentoso 
  • 3.8. Vigilância epidemiológica 
  • 3.9. Orientações gerais 
  • 4. Febre purpúrica brasileira 
  • 4.1. Agente etiológico 
  • 4.2. Hospedeiro 
  • 4.3. Transmissibilidade 
  • 4.4. Período de incubação 
  • 4.5. Manifestações clínicas 
  • 4.6. Diagnósticos
  • 4.7. Tratamento medicamentoso
  • 4.8. Vigilância epidemiológica
  • 4.9. Orientações gerais 
  • 5. Gripe (influenza)
  • 5.1. Agente etiológico 
  • 5.2. Hospedeiro 
  • 5.3. Transmissibilidade 
  • 5.4. Período de incubação
  • 5.5. Manifestações clínicas 
  • 5.6. Diagnósticos
  • 5.7. Tratamento medicamentoso
  • 5.8. Vigilância epidemiológica 
  • 5.9. Esquema vacinal 
  • 5.10. Orientações gerais  
  • 6. Hantaviroses
  • 6.1. Agente etiológico 
  • 6.2. Hospedeiro 
  • 6.3. Período de incubação 
  • 6.4. Transmissibilidade 
  • 6.5. Manifestações clínicas 
  • 6.6. Diagnósticos 
  • 6.7. Tratamento medicamentoso
  • 6.8. Vigilância epidemiológica 
  • 6.9. Orientações gerais
  • 7. Hepatites virais 
  • 7.1. Agente etiológico 
  • 7.2. Hospedeiro 
  • 7.3. Transmissibilidade 
  • 7.4. Manifestações clínicas 
  • 7.5. Diagnósticos 
  • 7.6. Tratamento
  • 7.7.  Vigilancia epidemiológica
  • 7.8 Orientações gerais 
  • 7.9. Esquema vacinal
  • 8. Herpes
  • 8.1. Agente etiológico
  • 8.2. Transmissibilidade
  • 8.3. Hospedeiro 
  • 8.4. Período de incubação
  • 8.5. Manifestações clínicas 
  • 8.6. Diagnósticos
  • 8.7. Tratamento medicamentoso
  • 8.8. Vigilância epidemiológica
  • 8.9. Orientações gerais
  • 9. Herpes-zóster
  • 9.1. Agente etiológico
  • 9.2. Transmissibilidade 
  • 9.3. Manifestações clínicas
  • 9.4. Diagnósticos 
  • 9.5. Tratamento medicamentoso 
  • 10. Poliomielite 
  • 10.1. Agente etiológico 
  • 10.2. Hospedeiro 
  • 10.3. Transmissibilidade 
  • 10.4. Período de incubação 
  • 10.5. Manifestações clínicas 
  • 10.6. Diagnósticos 
  • 10.7. Tratamento medicamentoso 
  • 10.8. Vigilância epidemiológica 
  • 10.9. Orientações gerais 
  • 10.10. Esquema vacinal 
  • 11. Raiva 
  • 11.1. Agente etiológico 
  • 11.2. Hospedeiro 
  • 11.3. Transmissibilidade e ciclo 
  • 11.4. Período de incubação 
  • 11.5 Manifestações clínicas 
  • 11.6. Diagnósticos 
  • 11.7. Tratamento medicamentoso
  • 11.8. Vigilância epidemiológica 
  • 11.9. Orientações gerais 
  • 11.10. Esquema vacinal 
  • 12. Rotavirose
  • 12.1. Agente etiológico
  • 12.2. Transmissibilidade
  • 12.3. Período de incubação
  • 12.4. Manifestações clínicas
  • 12.5. Diagnósticos
  • 12.6. Tratamento medicamentoso
  • 12.7. Vigilância epidemiológica
  • 12.8. Orientações gerais
  • 12.9. Esqueva vacinal
  • 13. Rubéola
  • 13.1. Agente etiológico 
  • 13.2. Hospedeiro 
  • 13.3. Transmissibilidade 
  • 13.4. Período de incubação 
  • 13.5. Manifestações clínicas
  • 13.6. Diagnósticos
  • 13.7. Tratamento medicamentoso
  • 13.8. Vigilância epidemiológica 
  • 13.9. Orientações gerais 
  • 13.10. Esquema vacinal 
  • 14. Sarampo 
  • 14.1. Agente etiológico 
  • 14.2. Hospedeiro 
  • 14.3. Transmissibilidade 
  • 14.4. Período de incubação 
  • 14.5. Manifestações clínicas 
  • 14.6. Diagnósticos
  • 14.7. Tratamento medicamentoso
  • 14.8. Vigilância epidemiológica 
  • 14.9. Orientações gerais
  • 15. Varicela 
  • 15.1. Agente etiológico 
  • 15.2. Hospedeiro 
  • 15.3. Transmissibilidade 
  • 15.4. Período de incubação
  • 15.5. Manifestações clínicas
  • 15.6. Diagnósticos
  • 15.7. Tratamento medicamentoso
  • 15.8. Vigilância epidemiológica 
  • 15.9. Esquema vacinal 
  • 16. Febre de Chikungunya 
  • 16.1. Agente etiológico 
  • 16.2. Hospedeiros 
  • 16.3. Transmissibilidade
  • 16. 4 Período de incubação 
  • 16.5. Manifestações clínicas
  • 16.6. Diagnóstico
  • 16.7. Tratamento medicamentoso
  • 16.8. Vigilância epidemiológica 
  • 16.9. Orientações gerais 
  • 17. Febre do vírus Zika 
  • 17.1. Agente etiológico 
  • 17.2. Hospedeiros 
  • 17.3. Transmissibilidade
  • 17.4. Período de incubação 
  • 17.5. Manifestações clínicas
  • 17.6. Diagnóstico laboratorial
  • 17.7. Tratamento medicamentoso
  • 17.8. Vigilância epidemiológica 
  • 17.9. Orientações gerais 

  • Capítulo VII
  • DOENÇAS INFECCIOSAS
  • 1. Doença diarreica aguda
  • 1.1. Agente etiológico 
  • 1.2. Modo de Transmissibilidade
  • 1.3. Manifestações clínicas
  • 1.4. Diagnóstico
  • 1.5. Tratamento medicamentoso
  • 1.6. Vigilância epidemiológica
  • 1.7. Orientações gerais
  • 2. Peste 
  • 2.1. Agente etiológico 
  • 2.2. Hospedeiro 
  • 2.3. Transmissibilidade 
  • 2.4. Período de incubação 
  • 2.5. Manifestações clínicas 
  • 2.6. Diagnósticos
  • 2.7. Tratamento medicamentoso
  • 2.8. Vigilância epidemiológica 
  • 2.9. Orientações gerais 
  • 3. Tracoma
  • 3.1. Agente etiológico
  • 3.2. Hospedeiro 
  • 3.3. Transmissibilidade
  • 3.4. Período de incubação
  • 3.5. Manifestações clínicas 
  • 3.6. Diagnósticos
  • 3.7. Tratamento medicamentoso
  • 3.8. Vigilância epidemiológica
  • 3.9. Orientações gerais 
  • Segunda parte
  • VIGILÂNCIA SANITÁRIA

  • Capítulo I
  • HISTÓRICO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA (VS) 
  • 1. Histórico
  • 2. Missão da VS
  • 3. Objetivo da VS
  • 4. As ações da VS 
  • 5. O que são riscos sanitários?
  • 5.1. Avaliação do risco sanitário 
  • 5.2. Gerenciamento do risco sanitário
  • 5.3. Divulgação do risco sanitário
  • 5.4. Instrumentos utilizados no desempenho do papel 
  • 5.5. Ações da Anvisa
  • 5.6. Secretarias estaduais
  • 5.7. Competências atribuídas à VS 

  • Capítulo II
  • DOENÇAS CAUSADAS POR ALIMENTOS CONTAMINADOS
  • 1. Noções gerais
  • 2. Contaminação 
  • 3. Micróbios
  • 4. Boas práticas alimentares no ambiente de trabalho
  • 5. Orientações de boas maneiras para
  • estabelecimentos que servem alimentos 
  • 6. Cuidados com a água e limpeza da caixa d’água
  • 7. Cuidados com o lixo
  • 8. Orientações para os profissionais que manipulam os alimentos 
  • 9. Lavagem das mãos
  • 10. Orientações sobre os cuidados com os
  • ingredientes utilizados no preparo dos alimentos
  • 10.1. Orientações para o preparo de alimentos 
  • 10.2. Orientações no transporte de alimentos preparados
  • 10.3. Orientações sobre os locais de guardar a comida
  • para servir e a temperatura correta
  • 11. Qualidade adequada das matérias-primas
 
  • Capítulo III
  • HIGIENIZAÇÃO: EVITANDO INFECÇÕES
  • 1. Noções gerais
  • 2. A relação dos profissionais da área da saúde com as infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS)
  • 3. Procedimentos cirúrgicos e as temidas IRAS

  • Capítulo IV
  • QUALIDADE DE ALGUNS PRODUTOS 
  • 1. Qualidade do leite ordenhado
  • 2. Qualidade do queijo
  • 3. Qualidade do peixe e derivados
  • 4. Qualidade dos vegetais 

  • Capitulo V
  • CARACTERÍSTICAS DOS ALIMENTOS
  • 1. Noções gerais
  • 2. Alguns parâmetros
  • 2.1. Parâmetros intrínsecos
  • 2.1.1. Atividade de água (Aa)
  • 2.1.2. Potencial de oxidorredução (Eh)
  • 2.1.3. Conteúdo de nutrientes
  • 2.1.4. Constituintes antimicrobianos
  • 2.1.5. Estrutura biológica
  • 2.2. Parâmetros extrínsecos
  • 2.2.1 Temperatura
  • 2.2.2. Umidade relativa do ar
  • 2.2.3. Composição gasosa do ambiente
  • 3. Riscos e consequências 
  • 4. Procedimentos que favorecem as toxinfecções
  • 5. Irradiação de alimentos
  • 6. Controle dos produtos de limpeza 
  • 6.1. Produtos de limpeza clandestinos
  • 6.2. Orientações para identificação de produtos clandestinos 
  • 6.3. Orientações de alertas
  • 6.4. Orientações nos casos de acidentes com produtos de limpeza 

  • Capítulo VI
  • ALISANTES PARA CABELO
  • 1. Noções gerais

  • Capítulo VII
  • DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO SANGUE
  • 1. Noções gerais
  • 2. Processamento
  • 3. Armazenamento
  • 4. Transfusão
  • 5. Doenças transmitidas pelo sangue
  • 5.1. Chagas
  • 5.2. Hepatites virais 
  • 5.2.1. Hepatite B
  • 5.2.2. Hepatite C
  • 5.2.3. Hepatite D
  • 5.2.4. Hepatites A e E
  • 6. Infecção pelo HIV/SIDA
  • 7. Infecção pelo HTLV-I/II
  • 8. Malária 
  • 9. Sífilis
  • 10. Métodos de triagem e de confirmação laboratorial 

  • Capitulo VIII
  • SANGUE: A TRANSFUSÃO E SUAS REAÇÕES
  • 1. Noções gerais
  • 2. Histórico das transfusões
  • 3. Sistema ABO 
  • 4. História da hemoterapia e hemovigilância no Brasil
  • 5. A transfusão
  • 5.1. Tipos de aférese
  • 6. Reações transfusionais
  • 6.1. Dor aguda relacionada à transfusão
  • 6.2. Anafilaxia 
  • 6.3. TRALI (Transfusion related acute lung injury) 
  • 6.4. Reação febril não hemolítica 
  • 6.5. Reação alérgica leve (urticariforme) 
  • 6.6. Sobrecarga volêmica
  • 6.7. Contaminação bacteriana (choque bacteriano)
  • 6.8. Hemólise não imune
  • 6.9. Embolia aérea (embolismo)
  • 6.10. Hipocalcemia
  • 6.11. Hipotermia 
  • 6.12. Hipercalemia 
  • 6.13. Hemólise tardia (aloimunização)
  • 6.14. Reação enxerto versus hospedeiro relacionado à transfusão  
  • 6.15. Púrpura pós-transfusional (PPT) 
  • 6.16. Hemossiderose secundária (sobrecarga de ferro) 
  • 6.17. Imunomodulação 
  • 6.18. Complicações infecciosas causadas por vírus e parasitas  
  • 6.19. Toxicidade ao citrato 
  • 7.. Conduta dos profissionais envolvidos no processo transfusional 
  • 8. Transfundindo
  • 8.1. Pré-infusão
  • 8.2. Infusão
  • 8.3. Pós-infusão
  • 9. Aspectos éticos e legais

  • Capítulo IX
  • DOENÇA FALCIFORME
  • 1. Noções gerais
  • 2. Tratamento
  • 2.1. Tratamento medicamentoso 
  • 2.2. Imunizações
  • 3. Orientações gerais 
  • 4. Transfusões sanguíneas 
  • 5. Alterações renais 
  • 6. Alterações funcionais
  • 7. Alterações radiológicas
  • 8. Lesões ósseas e articulares 
  • 9. Alterações oculares 
  • 10. Úlceras de membros inferiores 
  • 11. Alterações cardíacas 
  • 12. Alterações pulmonares

  • Capítulo X
  • DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB E ENCEFALOPATIA
  • ESPONGIFORME BOVINA – DOENÇA DA VACA LOUCA
  • 1. Noções gerais
  • 2. Aspectos gerais 
  • 3. Etiologia

  • Capitulo XI
  • SURTOS
  • 1. Investigação de surtos 
  • 2. Método
  • 3. A notificação de surto  
  • 4. O planejamento inicial 
  • 5. Investigação de campo  
  • 5.1. O deslocamento 
  • 5.2. A investigação com os indivíduos que adoeceram ou não 
  • 5.3. A investigação com os manipuladores
  • 5.4. A investigação do local 
  • 5.5. Medidas de controle  
  • 5.6. Informações do surto
  • 5.7. Acompanhamento da vigilância 
  • 5.8. Relatório final 
  • 5.9. Sugestão de roteiro de vigilância sanitária de
  • serviços de refeições coletivas

  • Capítulo XII
  • MEDICAMENTOS INOVADORES, SIMILARES E GENÉRICOS: BIOEQUIVALÊNCIA, BIODISPONIBILIDADE E ÉTICA
  • 1. Noções gerais
  • 2. Ações públicas
  • 3. Objetivos dos estudos sobre biodisponibilidade

  • Capitulo XIII
  • BIOÉTICA E FARMACOVIGILÂNCIA: QUESTÃO DE PRINCÍPIOS 
  • 1. Noções gerais

  • Capítulo XIV
  • LEGISLAÇÃO GERAL
  • 1. Legislação alimentar 
  • 2. Legislação dos cosméticos 
  • 3. Legislação dos medicamentos
  • 4. Legislação de medicamentos controlados
  • GLOSSÁRIO
  • REFERÊNCIAS

Comentário (0)