Manual de vigilância Epidemiológica e Sanitária

Cód:  9788574982427


  • R$ 90,00

até de sem juros

ou à vista no boleto


Descrição

 
Autor: Ana Karla da Silva
Dimensões (cm) (LxAxLombada): 15,3x22,1x2,7
Número de páginas: 464
Edição: 2.ª
ISBN: 978-85-7498-242-7
Peso (gramas): 640
Ano de publicação: 2017
 
Sinopse
 
O livro já em sua 2ª edição, apresenta o conhecimento e as orientações necessárias para os estudantes, professores e profissionais de saúde sobre Doenças Transmissíveis, Bacterianas, Parasitárias, Fungicas, Virais, Infecciosas, e muitas outras temáticas dentro de Vigilância Sanitária. O livro foi revisado e atualizado, com fotos e figuras ilustrativas, além de glossário alfabético.

 

 
 

Informações sobre o autor

Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia. Pós-graduação em Vigilância Sanitária e Epidemiologia pela Universidade de Ribeirão Preto (SP), realizada pela Associação Médica de Goiás em Goiânia. Atualmente é Gerente de Serviços de Atenção Primária de Sobradinho – DF. Autora dos livros: Ergonomia aplicada à anatomia e à fisiologia do trabalhador; Manual de normas e rotinas hospitalares; Manual do estagiário em enfermagem – nível superior; Manual do estagiário em enfermagem – nível médio; Tecnologia de prevenção e primeiros socorros ao trabalhador acidentado; colaboradora externa: Enfermagem para concursos – 5000 perguntas e respostas.

Sumário

 

Primeira parte

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

 

Capítulo I

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. Noções gerais

2. Cálculo de alguns coeficientes 

3. Indicadores de saúde 

 

Capítulo II

DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS 

1. Aids

1.1. Agente etiológico

1.2. Hospedeiro

1.3. Transmissibilidade

1.4. Período de incubação

1.5. Manifestações clínicas 

1.6. Diagnósticos

1.7. Tratamento medicamentoso 

1.8. Vigilância epidemiológica

1.9. Orientações gerais

2. Cancro mole

2.1. Agente etiológico

2.2. Hospedeiro

2.3. Transmissibilidade

2.4. Período de incubação

2.5. Manifestações clínicas

2.6. Diagnósticos

2.7. Tratamento medicamentoso 

2.8. Vigilância epidemiológica

2.9. Orientações gerais 

3. Candidíase

3.1. Agente etiológico

3.2. Hospedeiro

3.3. Transmissibilidade

3.4. Período de incubação

3.5. Manifestações clínicas

3.6. Diagnósticos

3.7. Tratamento medicamentoso

3.8. Vigilância epidemiológica

3.9. Orientações gerais

4. Donovanose

4.1. Agente etiológico

4.2. Hospedeiro 

4.3. Transmissibilidade 

4.4. Período de incubação

4.5. Manifestações clínicas 

4.6. Diagnósticos

4.7. Tratamento medicamentoso

4.8. Vigilância epidemiológica 

4.9. Orientações gerais

5. Gonorreia

5.1. Agente etiológico 

5.2. Hospedeiro 

5.3. Transmissibilidade 

5.4. Período de incubação 

5.5. Manifestações clínicas

5.6. Diagnósticos

5.7. Tratamento medicamentoso

5.8. Vigilância epidemiológica

5.9. Orientações gerais 

6. Linfogranuloma venéreo

6.1. Agente etiológico

6.2. Hospedeiro 

6.3. Transmissibilidade

6.4. Período de incubação

6.5. Manifestações clínicas

6.6. Diagnósticos 

6.7. Tratamento medicamentoso

6.8. Vigilância epidemiológica

6.9. Orientações gerais 

7. Sífilis adquirida e congênita

7.1. Agente etiológico 

7.2. Hospedeiro 

7.3. Transmissibilidade 

7.4. Período de incubação 

7.5. Diagnóstico

7.6. Tratamento medicamentoso

7.7. VigiIância epidemiológica 

7.8. Orientações gerais 

 

Capítulo III

DOENÇAS BACTERIANAS

1. Antraz ou carbúnculo

1.1. Agente etiológico 

1.2. Hospedeiro

1.3. Transmissibilidade

1.4. Período de incubação

1.5. Manifestações clínicas

1.6. Diagnósticos

1.7. Tratamento medicamentoso

1.8. Vigilância epidemiológica

1.9. Orientações gerais 

1.10. Esquema vacinal 

2. Botulismo

2.1. Agente etiológico

2.2. Reservatório

2.3. Transmissibilidade

2.4. Período de incubação

2.5. Diagnósticos 

2.6. Tratamento medicamentoso

2.7. Vigilância epidemiológica

2.8. Orientações gerais 

3. Brucelose

3.1. Agente etiológico

3.2. Reservatório

3.3. Transmissibilidade

3.4. Período de incubação 

3.5. Manifestações clínicas

3.6. Diagnósticos 

3.7. Tratamento medicamentoso

3.8. Vigilância epidemiológica

3.9. Orientações gerais

4. Cólera

4.1. Agente etiológico

4.2. Hospedeiro

4.3. Transmissibilidade 

4.4. Período de incubação

4.5. Manifestações clínicas

4.6. Diagnósticos

4.7. Tratamento medicamentoso

4.8. Vigilância epidemiológica

4.9. Orientações gerais

5. Coqueluche

5.1. Agente etiológico

5.2. Hospedeiro

5.3. Transmissibilidade

5.4. Período de incubação 

5.5. Manifestações clínicas

5.6. Diagnósticos 

5.7. Tratamento medicamentoso 

5.8. Vigilância epidemiológica

5.9. Orientações gerais

5.10. Esquema vacinal 

6. Difteria

6.1. Agente etiológico

6.2. Hospedeiro

6.3. Transmissibilidade

6.4. Período de incubação

6.5. Manifestações clínicas

6.6. Diagnósticos 

6.7. Tratamento medicamentoso

6.8. Vigilância epidemiológica

6.9. Esquema vacinal 

6.10. Orientações gerais

7. Doença de Lyme

7.1. Agente etiológico

7.2. Hospedeiro

7.3. Transmissibilidade

7.4. Período de incubação

7.5. Manifestações clínicas

7.6. Diagnósticos 

7.7. Tratamento medicamentoso

7.8. Vigilância epidemiológica 

7.9. Orientações gerais 

8. Doença meningocócica

8.1. Agente etiológico

8.2. Hospedeiro

8.3. Transmissibilidade

8.4. Período de incubação 

8.5. Manifestações clínicas

8.6. Diagnósticos 

8.7. Tratamento medicamentoso

8.8. Vigilância epidemiológica

8.9. Orientações gerais 

8.10. Esquema vacinal 

9. Febre tifoide

9.1. Agente etiológico 

9.2. Transmissibilidade 

9.3. Período de incubação 

9.4. Manifestações clínicas 

9.5. Diagnósticos

9.6. Tratamento medicamentoso 

9.7. Vigilância epidemiológica 

9.8. Orientações gerais 

9.9. Esquema vacinal

10. Hanseníase 

10.1. Agente etiológico

10.2. Hospedeiro 

10.3. Transmissibilidade 

10.4. Período de incubação

10.5. Manifestações clínicas

10.6. Diagnósticos

10.7. Tratamento medicamentoso

10.8. Vigilância epidemiológica 

10.9. Orientações gerais 

11. Leptospirose 

11.1. Agente etiológico 

11.2. Hospedeiros

11.3. Transmissibilidade 

11.4. Período de incubação 

11.5. Manifestações clínicas 

11.6. Diagnósticos 

11.7. Tratamento medicamentoso

11.8. Vigilância epidemiológica 

11.9. Orientações gerais 

12. Tuberculose 

12.1. Agente etiológico 

12.2. Hospedeiro 

12.3. Transmissibilidade 

12.4. Período de incubação 

12.5. Manifestações clínicas 

12.6. Diagnósticos 

12.7. Tratamento medicamentoso

12.8. Vigilância epidemiológica 

12.9. Orientações gerais

12.10. Esquema vacinal

13. Tétano

13.1. Agente etiológico

13.2. Transmissibilidade

13.3. Manifestações clínicas

13.4. Período de incubação

13.5. Diagnósticos

13.6. Tratamento medicamentoso

13.7. Vigilância epidemiológica 

13.8. Orientações gerais

13.9. Esquema vacinal

 

Capítulo IV

DOENÇAS PARASITÁRIAS

1. Amebíase 

1.1. Agente etiológico

1.2. Hospedeiro

1.3. Transmissibilidade e ciclo 

1.4. Período de incubação

1.5. Manifestações clínicas

1.6. Diagnóstico

1.7. Tratamento medicamentoso

1.8. Vigilância epidemiológica

1.9. Orientações gerais 

2. Ancilostomíase

2.1. Classificação e morfologia 

2.2. Agente etiológico

2.3. Hospedeiros 

2.4. Transmissibilidade e ciclo 

2.5. Período de incubação

2.6. Manifestações clínicas

2.7. Diagnóstico

2.8. Tratamento medicamentoso

2.9. Vigilância epidemiológica 

2.10. Orientações gerais 

3. Ascaridíase

3.1. Agente etiológico

3.2. Hospedeiro

3.3. Transmissibilidade e ciclo 

3.4. Período de incubação

3.5. Manifestações clínicas

3.6. Diagnóstico

3.7. Tratamento medicamentoso

3.8. Vigilância epidemiológica

3.9. Orientações gerais

4. Criptosporidíase

4.1. Agente etiológico

4.2. Hospedeiro

4.3. Transmissibilidade 

4.4. Período de incubação

4.5. Diagnósticos 

4.6. Tratamento medicamentoso

4.7. Vigilância epidemiológica

4.8. Orientações gerais

5. Doença de chagas

5.1. Agente etiológico

5.2. Hospedeiro

5.3. Transmissibilidade e ciclo

5.4. Período de incubação

5.5. Manifestações clínicas

5.6. Diagnósticos

5.7. Tratamento medicamentoso

5.8. Vigilância epidemiológica 

5.9. Orientações gerais

6. Escabiose 

6.1. Agente etiológico

6.2. Hospedeiro

6.3. Transmissibilidade 

6.4. Manifestações clínicas 

6.5. Período de incubação

6.6. Diagnósticos 

6.7. Tratamento medicamentoso

6.8. Vigilância epidemiológica 

6.9. Orientações gerais

7. Esquistossomose mansônica

7.1. Agente etiológico

7.2. Hospedeiros

7.3. Transmissibilidade e ciclo 

7.4. Período de incubação

7.5. Manifestações clínicas

7.6. Diagnósticos 

7.7. Tratamento medicamentoso

7.8. Vigilância epidemiológica

7.9. Orientações gerais

8. Enterobíase 

8.1. Agente etiológico

8.2. Hospedeiro

8.3. Transmissibilidade e ciclo evolutivo

8.4. Período de incubação

8.5. Manifestações clínicas 

8.6. Diagnósticos

8.7. Tratamento medicamentoso

8.8. Vigilância epidemiológica

8.9. Orientações gerais 

9. Estrongiloidiase

9.1. Agente etiológico

9.2. Hospedeiro

9.3. Transmissibilidade e ciclo 

9.4. Manifestações clínicas 

9.5. Diagnósticos

9.6. Tratamento medicamentoso 

9.7. Vigilância epidemiológica 

9.8. Orientações gerais 

10. Giardíase

10.1. Agente etiológico 

10.2. Hospedeiro

10.3. Transmissibilidade e ciclo

10.4. Período de incubação

10.5. Manifestações clínicas

10.6. Diagnósticos

10.7. Tratamento medicamentoso

10.8. Vigilância epidemiológica

10.9. Orientações gerais

11. Leishmaniose tegumentar americana (LTA)

11.1. Agente etiológico 

11.2. Hospedeiro e vetores 

11.3. Transmissibilidade 

11.4. Período de incubação 

11.5. Manifestações clínicas 

11.6. Diagnósticos

11.7. Tratamento medicamentoso

11.8. Vigilância epidemiológica 

11.9. Orientações gerais 

12. Leishmaniose visceral (LV)

12.1. Hospedeiro e vetores 

12.2. Transmissibilidade e ciclo

12.3. Período de incubação 

12.4. Manifestações clínicas 

12.5. Diagnósticos

12.6. Tratamento medicamentoso

12.7. Vigilância epidemiológica 

12.8. Orientações gerais  

13. Malária 

13.1. Agente etiológico 

13.2. Hospedeiro e vetor 

13.3. Transmissibilidade e ciclo

13.4. Período de incubação 

13.5. Manifestações clínicas 

13.6. Diagnósticos

13.7. Tratamento medicamentoso

13.8. Vigilância epidemiológica 

13.9. Orientações gerais 

14. Teníase/Cisticercose

14.1. Agente etiológico

14.2. Hospedeiro 

14.3. Transmissibilidade

14.4. Período de incubação 

14.5. Manifestações clínicas 

14.6. Diagnósticos

14.7. Tratamento medicamentoso

14.8. Vigilância epidemiológica

14.9. Orientações gerais

15. Toxoplasmose

15.1. Agente etiológico

15.2. Hospedeiro

15.3. Transmissibilidade e ciclo 

15.4. Período de incubação 

15.5. Manifestações clínicas 

15.6. Diagnósticos 

15.7. Tratamento medicamentoso 

15.8. Vigilância epidemiológica 

15.9. Orientações gerais 

 

Capítulo V

DOENÇAS FÚNGICAS

1. Coccidioidomicose

1.1. Agente etiológico

1.2. Hospedeiros

1.3. Transmissibilidade 

1.4. Período de incubação

1.5. Manifestações clínicas

1.6. Diagnósticos

1.7. Tratamento medicamentoso

1.8. Vigilância epidemiológica

1.9. Orientações gerais 

2. Criptococose

2.1. Agente etiológico

2.2. Hospedeiros

2.3. Transmissibilidade

2.4. Período de incubação

2.5. Manifestações clínicas 

2.6. Diagnósticos 

2.7. Tratamento medicamentoso

2.8. Vigilância epidemiológica

2.9. Orientações gerais

3. Paracoccidioidomicose

3.1. Agente etiológico

3.2. Hospedeiro 

3.3. Transmissibilidade 

3.4. Período de incubação

3.5. Manifestações clínicas 

3.6. Diagnósticos

3.7. Tratamento medicamentoso

3.8. Vigilância epidemiológica

3.9. Orientações gerais 

 

Capítulo VI

DOENÇAS VIRAIS

1. Dengue

1.1. Agente etiológico 

1.2. Hospedeiro

1.3. Transmissibilidade e ciclo do vetor

1.4. Período de incubação

1.5. Manifestações clínicas

1.6. Diagnósticos

1.7. Tratamento medicamentoso

1.8. Vigilância epidemiológica

1.9. Orientações gerais 

2. c

2.1. Agente etiológico 

2.2. Hospedeiros e vetores 

2.3. Transmissibilidade 

2.4. Período de incubação

2.5. Manifestações clínicas

2.6. Diagnósticos

2.7. Tratamento medicamentoso

2.8. Vigilância epidemiológica 

2.9. Esquema vacinal

2.10. Orientações gerais 

3. Febre maculosa brasileira (FMB)

3.1. Agente etiológico

3.2. Hospedeiro

3.3. Transmissibilidade e ciclo

3.4. Período de incubação

3.5. Manifestações clínicas

3.6. Diagnósticos

3.7. Tratamento medicamentoso 

3.8. Vigilância epidemiológica 

3.9. Orientações gerais 

4. Febre purpúrica brasileira 

4.1. Agente etiológico 

4.2. Hospedeiro 

4.3. Transmissibilidade 

4.4. Período de incubação 

4.5. Manifestações clínicas 

4.6. Diagnósticos

4.7. Tratamento medicamentoso

4.8. Vigilância epidemiológica

4.9. Orientações gerais 

5. Gripe (influenza)

5.1. Agente etiológico 

5.2. Hospedeiro 

5.3. Transmissibilidade 

5.4. Período de incubação

5.5. Manifestações clínicas 

5.6. Diagnósticos

5.7. Tratamento medicamentoso

5.8. Vigilância epidemiológica 

5.9. Esquema vacinal 

5.10. Orientações gerais  

6. Hantaviroses

6.1. Agente etiológico 

6.2. Hospedeiro 

6.3. Período de incubação 

6.4. Transmissibilidade 

6.5. Manifestações clínicas 

6.6. Diagnósticos 

6.7. Tratamento medicamentoso

6.8. Vigilância epidemiológica 

6.9. Orientações gerais

7. Hepatites virais 

7.1. Agente etiológico 

7.2. Hospedeiro 

7.3. Transmissibilidade 

7.4. Manifestações clínicas 

7.5. Diagnósticos 

7.6. Tratamento

7.7.  Vigilancia epidemiológica

7.8 Orientações gerais 

7.9. Esquema vacinal

8. Herpes

8.1. Agente etiológico

8.2. Transmissibilidade

8.3. Hospedeiro 

8.4. Período de incubação

8.5. Manifestações clínicas 

8.6. Diagnósticos

8.7. Tratamento medicamentoso

8.8. Vigilância epidemiológica

8.9. Orientações gerais

9. Herpes-zóster

9.1. Agente etiológico

9.2. Transmissibilidade 

9.3. Manifestações clínicas

9.4. Diagnósticos 

9.5. Tratamento medicamentoso 

10. Poliomielite 

10.1. Agente etiológico 

10.2. Hospedeiro 

10.3. Transmissibilidade 

10.4. Período de incubação 

10.5. Manifestações clínicas 

10.6. Diagnósticos 

10.7. Tratamento medicamentoso 

10.8. Vigilância epidemiológica 

10.9. Orientações gerais 

10.10. Esquema vacinal 

11. Raiva 

11.1. Agente etiológico 

11.2. Hospedeiro 

11.3. Transmissibilidade e ciclo 

11.4. Período de incubação 

11.5 Manifestações clínicas 

11.6. Diagnósticos 

11.7. Tratamento medicamentoso

11.8. Vigilância epidemiológica 

11.9. Orientações gerais 

11.10. Esquema vacinal 

12. Rotavirose

12.1. Agente etiológico

12.2. Transmissibilidade

12.3. Período de incubação

12.4. Manifestações clínicas

12.5. Diagnósticos

12.6. Tratamento medicamentoso

12.7. Vigilância epidemiológica

12.8. Orientações gerais

12.9. Esqueva vacinal

13. Rubéola

13.1. Agente etiológico 

13.2. Hospedeiro 

13.3. Transmissibilidade 

13.4. Período de incubação 

13.5. Manifestações clínicas

13.6. Diagnósticos

13.7. Tratamento medicamentoso

13.8. Vigilância epidemiológica 

13.9. Orientações gerais 

13.10. Esquema vacinal 

14. Sarampo 

14.1. Agente etiológico 

14.2. Hospedeiro 

14.3. Transmissibilidade 

14.4. Período de incubação 

14.5. Manifestações clínicas 

14.6. Diagnósticos

14.7. Tratamento medicamentoso

14.8. Vigilância epidemiológica 

14.9. Orientações gerais

15. Varicela 

15.1. Agente etiológico 

15.2. Hospedeiro 

15.3. Transmissibilidade 

15.4. Período de incubação

15.5. Manifestações clínicas

15.6. Diagnósticos

15.7. Tratamento medicamentoso

15.8. Vigilância epidemiológica 

15.9. Esquema vacinal 

16. Febre de Chikungunya 

16.1. Agente etiológico 

16.2. Hospedeiros 

16.3. Transmissibilidade

16. 4 Período de incubação 

16.5. Manifestações clínicas

16.6. Diagnóstico

16.7. Tratamento medicamentoso

16.8. Vigilância epidemiológica 

16.9. Orientações gerais 

17. Febre do vírus Zika 

17.1. Agente etiológico 

17.2. Hospedeiros 

17.3. Transmissibilidade

17.4. Período de incubação 

17.5. Manifestações clínicas

17.6. Diagnóstico laboratorial

17.7. Tratamento medicamentoso

17.8. Vigilância epidemiológica 

17.9. Orientações gerais 

 

Capítulo VII

DOENÇAS INFECCIOSAS

1. Doença diarreica aguda

1.1. Agente etiológico 

1.2. Modo de Transmissibilidade

1.3. Manifestações clínicas

1.4. Diagnóstico

1.5. Tratamento medicamentoso

1.6. Vigilância epidemiológica

1.7. Orientações gerais

2. Peste 

2.1. Agente etiológico 

2.2. Hospedeiro 

2.3. Transmissibilidade 

2.4. Período de incubação 

2.5. Manifestações clínicas 

2.6. Diagnósticos

2.7. Tratamento medicamentoso

2.8. Vigilância epidemiológica 

2.9. Orientações gerais 

3. Tracoma

3.1. Agente etiológico

3.2. Hospedeiro 

3.3. Transmissibilidade

3.4. Período de incubação

3.5. Manifestações clínicas 

3.6. Diagnósticos

3.7. Tratamento medicamentoso

3.8. Vigilância epidemiológica

3.9. Orientações gerais 

Segunda parte

VIGILÂNCIA SANITÁRIA

 

Capítulo I

HISTÓRICO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA (VS) 

1. Histórico

2. Missão da VS

3. Objetivo da VS

4. As ações da VS 

5. O que são riscos sanitários?

5.1. Avaliação do risco sanitário 

5.2. Gerenciamento do risco sanitário

5.3. Divulgação do risco sanitário

5.4. Instrumentos utilizados no desempenho do papel 

5.5. Ações da Anvisa

5.6. Secretarias estaduais

5.7. Competências atribuídas à VS 

 

Capítulo II

DOENÇAS CAUSADAS POR ALIMENTOS CONTAMINADOS

1. Noções gerais

2. Contaminação 

3. Micróbios

4. Boas práticas alimentares no ambiente de trabalho

5. Orientações de boas maneiras para

estabelecimentos que servem alimentos 

6. Cuidados com a água e limpeza da caixa d’água

7. Cuidados com o lixo

8. Orientações para os profissionais que manipulam os alimentos 

9. Lavagem das mãos

10. Orientações sobre os cuidados com os

ingredientes utilizados no preparo dos alimentos

10.1. Orientações para o preparo de alimentos 

10.2. Orientações no transporte de alimentos preparados

10.3. Orientações sobre os locais de guardar a comida

para servir e a temperatura correta

11. Qualidade adequada das matérias-primas

 

Capítulo III

HIGIENIZAÇÃO: EVITANDO INFECÇÕES

1. Noções gerais

2. A relação dos profissionais da área da saúde com as infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS)

3. Procedimentos cirúrgicos e as temidas IRAS

 

Capítulo IV

QUALIDADE DE ALGUNS PRODUTOS 

1. Qualidade do leite ordenhado

2. Qualidade do queijo

3. Qualidade do peixe e derivados

4. Qualidade dos vegetais 

 

Capitulo V

CARACTERÍSTICAS DOS ALIMENTOS

1. Noções gerais

2. Alguns parâmetros

2.1. Parâmetros intrínsecos

2.1.1. Atividade de água (Aa)

2.1.2. Potencial de oxidorredução (Eh)

2.1.3. Conteúdo de nutrientes

2.1.4. Constituintes antimicrobianos

2.1.5. Estrutura biológica

2.2. Parâmetros extrínsecos

2.2.1 Temperatura

2.2.2. Umidade relativa do ar

2.2.3. Composição gasosa do ambiente

3. Riscos e consequências 

4. Procedimentos que favorecem as toxinfecções

5. Irradiação de alimentos

6. Controle dos produtos de limpeza 

6.1. Produtos de limpeza clandestinos

6.2. Orientações para identificação de produtos clandestinos 

6.3. Orientações de alertas

6.4. Orientações nos casos de acidentes com produtos de limpeza 

 

Capítulo VI

ALISANTES PARA CABELO

1. Noções gerais

 

Capítulo VII

DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO SANGUE

1. Noções gerais

2. Processamento

3. Armazenamento

4. Transfusão

5. Doenças transmitidas pelo sangue

5.1. Chagas

5.2. Hepatites virais 

5.2.1. Hepatite B

5.2.2. Hepatite C

5.2.3. Hepatite D

5.2.4. Hepatites A e E

6. Infecção pelo HIV/SIDA

7. Infecção pelo HTLV-I/II

8. Malária 

9. Sífilis

10. Métodos de triagem e de confirmação laboratorial 

 

Capitulo VIII

SANGUE: A TRANSFUSÃO E SUAS REAÇÕES

1. Noções gerais

2. Histórico das transfusões

3. Sistema ABO 

4. História da hemoterapia e hemovigilância no Brasil

5. A transfusão

5.1. Tipos de aférese

6. Reações transfusionais

6.1. Dor aguda relacionada à transfusão

6.2. Anafilaxia 

6.3. TRALI (Transfusion related acute lung injury) 

6.4. Reação febril não hemolítica 

6.5. Reação alérgica leve (urticariforme) 

6.6. Sobrecarga volêmica

6.7. Contaminação bacteriana (choque bacteriano)

6.8. Hemólise não imune

6.9. Embolia aérea (embolismo)

6.10. Hipocalcemia

6.11. Hipotermia 

6.12. Hipercalemia 

6.13. Hemólise tardia (aloimunização)

6.14. Reação enxerto versus hospedeiro relacionado à transfusão  

6.15. Púrpura pós-transfusional (PPT) 

6.16. Hemossiderose secundária (sobrecarga de ferro) 

6.17. Imunomodulação 

6.18. Complicações infecciosas causadas por vírus e parasitas  

6.19. Toxicidade ao citrato 

7.. Conduta dos profissionais envolvidos no processo transfusional 

8. Transfundindo

8.1. Pré-infusão

8.2. Infusão

8.3. Pós-infusão

9. Aspectos éticos e legais

 

Capítulo IX

DOENÇA FALCIFORME

1. Noções gerais

2. Tratamento

2.1. Tratamento medicamentoso 

2.2. Imunizações

3. Orientações gerais 

4. Transfusões sanguíneas 

5. Alterações renais 

6. Alterações funcionais

7. Alterações radiológicas

8. Lesões ósseas e articulares 

9. Alterações oculares 

10. Úlceras de membros inferiores 

11. Alterações cardíacas 

12. Alterações pulmonares

 

Capítulo X

DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB E ENCEFALOPATIA

ESPONGIFORME BOVINA – DOENÇA DA VACA LOUCA

1. Noções gerais

2. Aspectos gerais 

3. Etiologia

 

Capitulo XI

SURTOS

1. Investigação de surtos 

2. Método

3. A notificação de surto  

4. O planejamento inicial 

5. Investigação de campo  

5.1. O deslocamento 

5.2. A investigação com os indivíduos que adoeceram ou não 

5.3. A investigação com os manipuladores

5.4. A investigação do local 

5.5. Medidas de controle  

5.6. Informações do surto

5.7. Acompanhamento da vigilância 

5.8. Relatório final 

5.9. Sugestão de roteiro de vigilância sanitária de

serviços de refeições coletivas

 

Capítulo XII

MEDICAMENTOS INOVADORES, SIMILARES E GENÉRICOS: BIOEQUIVALÊNCIA, BIODISPONIBILIDADE E ÉTICA

1. Noções gerais

2. Ações públicas

3. Objetivos dos estudos sobre biodisponibilidade

 

Capitulo XIII

BIOÉTICA E FARMACOVIGILÂNCIA: QUESTÃO DE PRINCÍPIOS 

1. Noções gerais

 

Capítulo XIV

LEGISLAÇÃO GERAL

1. Legislação alimentar 

2. Legislação dos cosméticos 

3. Legislação dos medicamentos

4. Legislação de medicamentos controlados

GLOSSÁRIO

REFERÊNCIAS

Comentário (0)